Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012
Hoje eu disse para uma pessoa, algo sem a qual eu tinha consciência..
Olha o mal com os olhos do bem. Ver o bem em tudo. Incrível! A dois dias eu estava lutando comigo mesma para enxergar as coisa de um jeito melhor, de outro jeito simplesmente  Pois aquele antigo, linear e socialista não estava me fazendo feliz. E foi só eu ver, olhar com olhos do bem. que tudo mudou. Dei gargalhada. fiquei feliz, e completa, com o momento. Olhos do bem, é isso que eu quero todos dias, nos bons e maus momentos, se é que existe mesmo o mau.
Acredito que todo mal tem um bem por trás. Talvez seja difícil de ver, mas ele está lá.
Gratidão pelo paraíso na terra!

And so it is

"And so it is Just like you said it would be Life goes easy on me Most of the time"
I cant take my eyes of you, maybe...
A cosia mais simples e fácil do mundo devia ser gostar de alguém. É uma coisa tão primitiva e natural que deveria ser simples. Deveria acontecer todo dia. A gente se apaixona todos os dias, por rostos diferentes, sonhos diferentes, vontades diferentes, mas não gosta. Gostar é difícil, e não acontece todos os dias. A gente pode estar com alguém, mas mesmo assim sentir falta de gostar. Como pode isso? Por que a gente tem medo de gostar? E de gostarem da gente? Doi tanto assim? Agora chove, e tudo o que eu queria era ter alguém pra eu querer, para eu querer o mundo, querer estar perto. Isso me faz esbarrar no passado, e se mistura com esse presente tão confuso, tão cheio de sentir. Não estou reclamando! - eu grito para mim mesma. Mas tem hora que sentir demais confunde, da medo, me causa impulsos. Ai Ai.. tudo, ao mesmo tempo, agora!

Que coisa!

Que coisa é essa...que vem feito um trem, e mexe com a aquilo que a gente nem sabia que existia? Que coisa é essa?? Que começa e não termina. E se termina não se vê. O tempo todo eu vejo flashs de momentos, sonhos, tão sonhos, e tão reais que me confundo... tudo aconteceu mesmo? A velocidade me causa tonturas. Será que foi real? Fragmentos de um momento tão inteiro, como poucos. E agora, tento ser inteiro na metade que sou. Ora quero, ora não. Tento ser inteira na metade que sou. Mas não consigo ser. Sou inteira fora, mas dentro... Que coisa é essa? Tão confusa, que mexe tanto com todos os sentidos? Percebo que fui atendida, as sete ondas me deram o que eu queria, e agora? Agora, eu só agradeço por todos os sentir e sentidos, muitas vezes sem sentido.
"O meu desafio é andar sozinha e esperar o tempo dos nossos destinos"